Sobre o contar histórias em Clarice

Num labirinto de baratas e a quinta história de Lispector...

Publicado em Literatura | 05/05/2019 | 0 | 131
Sobre o contar histórias em Clarice
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Na obra Felicidade Clandestina, Clarice Lispector deixou em um dos contos o arrastado sabor do não dizer nada, dizendo histórias. Esse ambiente de preterição, como eu gosto de chamar, configura a narrativa intransigente (com a absolluta convicção de que ela pode ser) da escritora. Falo do conto "A quinta história", em que são enredados encadeamentos narrativos pelos quais o discurso convencional da autora vai se deflagrando em pequenos elementos simbólicos de sua poética, ou seja, Clarice, como de costume, aproveita-se de um fato banal para provocar uma investigação psicológica das minudências intrínsecas à condição humana.    

Não quero  neste texto analisar o conto em si, aliás, nunca é essa a minha proposta de escrita. Quero apenas deixar algumas impressões de leitor e de amante dessa poética do absurdo na qual plaina os signos inventados (aproveitados, reutilizdos...) por Clarice Lispector.

A quinta história foi publicado, pela primeira vez, nos anos de 1964, quando Clarice transitava entre o jornalismo ordinário, e nada sério, e a produção literária incômoda que ela deixou registrada no vulgarmente chamado "terceiro tempo modernista". Eu prefiro algo como pós-modernidade. No entanto, não sou nenhum crítico acadêmico, e faço meus apontamentos de modo diletante e bastante tendenciosos.

Para facilitar a leitura, digo o seguinte: ao narrar um mesmo conto várias vezes, de modos diferentes, sem que o núcleo seja alterado, a morte das baratas nos desvela uma estrutura narrativa concêntrica e espiralada, na qual cinco histórias ilustram uma espécie de jogo de espelhos ou mise en abyme, empregada pela literatura e outras artes com o intento de refletir sobre si mesma, indicando-nos um processo de profundidade e infinito.

Bem, sugiro que você tire por si só suas conclusões. Leia na integra o conto abaixo e divirta-se com a feitiçaria clariceana. Boa leitura!

A quinta história

Esta história poderia chamar-se "As Estátuas". Outro nome possível é "O Assassinato". E também "Como Matar Baratas". Farei então pelo menos três histórias, verdadeiras, porque nenhuma delas mente a outra. Embora uma única, seriam mil e uma, se mil e uma noites me dessem.

A primeira, "Como Matar Baratas", começa assim: queixei-me de baratas. Uma senhora ouviu-me a queixa. Deu-me a receita de como matá-las. Que misturasse em partes iguais açúcar, farinha e gesso. A farinha e o açúcar as atrairiam, o gesso esturricaria o de dentro delas. Assim fiz. Morreram.

A outra história é a primeira mesmo e chama-se "O Assassinato". Começa assim: queixei-me de baratas. Uma senhora ouviu-me. Segue-se a receita. E então entra o assassinato. A verdade é que só em abstrato me havia queixado de baratas, que nem minhas eram: pertenciam ao andar térreo e escalavam os canos do edifício até o nosso lar. Só na hora de preparar a mistura é que elas se tornaram minhas também. Em nosso nome, então, comecei a medir e pesar ingredientes numa concentração um pouco mais intensa. Um vago rancor me tomara, um senso de ultraje. De dia as baratas eram invisíveis e ninguém acreditaria no mal secreto que roía casa tão tranqüila. Mas se elas, como os males secretos, dormiam de dia, ali estava eu a preparar-lhes o veneno da noite. Meticulosa, ardente, eu aviava o elixir da longa morte. Um medo excitado e meu próprio mal secreto me guiavam. Agora eu só queria gelidamente uma coisa: matar cada barata que existe. Baratas sobem pelos canos enquanto a gente, cansada, sonha. E eis que a receita estava pronta, tão branca. Como para baratas espertas como eu, espalhei habilmente o pó até que este mais parecia fazer parte da natureza. De minha cama, no silêncio do apartamento, eu as imaginava subindo uma a uma até a área de serviço onde o escuro dormia, só uma toalha alerta no varal. Acordei horas depois em sobressalto de atraso. Já era de madrugada. Atravessei a cozinha. No chão da área lá estavam elas, duras, grandes. Durante a noite eu matara. Em nosso nome, amanhecia. No morro um galo cantou.

A terceira história que ora se inicia é a das "Estátuas". Começa dizendo que eu me queixara de baratas. Depois vem a mesma senhora. Vai indo até o ponto em que, de madrugada, acordo e ainda sonolenta atravesso a cozinha. Mais sonolenta que eu está a área na sua perspectiva de ladrilhos. E na escuridão da aurora, um arroxeado que distancia tudo, distingo a meus pés sombras e brancuras: dezenas de estátuas se espalham rígidas. As baratas que haviam endurecido de dentro para fora. Algumas de barriga para cima. Outras no meio de um gesto que não se completaria jamais. Na boca de umas um pouco da comida branca. Sou a primeira testemunha do alvorecer em Pompéia. Sei como foi esta última noite, sei da orgia no escuro. Em algumas o gesso terá endurecido tão lentamente como num processo vital, e elas, com movimentos cada vez mais penosos, terão sofregamente intensificado as alegrias da noite, tentando fugir de dentro de si mesmas. Até que de pedra se tornam, em espanto de inocência, e com tal, tal olhar de censura magoada. Outras — subitamente assaltadas pelo próprio âmago, sem nem sequer ter tido a intuição de um molde interno que se petrificava! — essas de súbito se cristalizam, assim como a palavra é cortada da boca: eu te... Elas que, usando o nome de amor em vão, na noite de verão cantavam. Enquanto aquela ali, a de antena marrom suja de branco, terá adivinhado tarde demais que se mumificara exatamente por não ter sabido usar as coisas com a graça gratuita do em vão: "é que olhei demais para dentro de mim! é que olhei demais para dentro de..." — de minha fria altura de gente olho a derrocada de um mundo. Amanhece. Uma ou outra antena de barata morta freme seca à brisa. Da história anterior canta o galo.

A quarta narrativa inaugura nova era no lar. Começa como se sabe: queixei-me de baratas. Vai até o momento em que vejo os monumentos de gesso. Mortas, sim. Mas olho para os canos, por onde esta mesma noite renovar-se-á uma população lenta e viva em fila-indiana. Eu iria então renovar todas as noites o açúcar letal? como quem já não dorme sem a avidez de um rito. E todas as madrugadas me conduziria sonâmbula até o pavilhão? no vício de ir ao encontro das estátuas que minha noite suada erguia. Estremeci de mau prazer à visão daquela vida dupla de feiticeira. E estremeci também ao aviso do gesso que seca: o vício de viver que rebentaria meu molde interno. Áspero instante de escolha entre dois caminhos que, pensava eu, se dizem adeus, e certa de que qualquer escolha seria a do sacrifício: eu ou minha alma. Escolhi. E hoje ostento secretamente no coração uma placa de virtude: "Esta casa foi dedetizada".

A quinta história chama-se "Leibnitz e a Transcendência do Amor na Polinésia". Começa assim: queixei-me de baratas.

(LISPECTOR, Clarice. A quinte história, In: Felicidade Clandestina. Rio de Janeiro: José Olympio, 1971)

Olá, deixe seu comentário para Sobre o contar histórias em Clarice

Enviando Comentário Fechar :/